Categoria: Inovação

Lean Canvas

Texto escrito por Karina Moura (kms2@cin.ufpe.br), Karine Gomes (kgmg@cin.ufpe.br) e Karla Silva (kmbs@cin.ufpe.br)

Na aula da segunda-feira (30), após discussões sobre Business Model Canvas e Lean Canvas. Desenvolvemos a primeira versão do Lean Canvas da equipe de estilo de vida/moda.

O Lean Canvas é baseado no Business Model Canvas e foi criado por Ash Maurya com objetivo de dar maior foco aos aspectos considerados mais críticos na criação de uma startup. Na figura abaixo você pode ver um template do Lean Canvas.

Lean Canvas
Template para o  Lean Canvas

O lean canvas da nossa equipe na versão 2, após feedbacks do Professor Cristiano e colegas de classe, pode ser encontrado no  seguinte link https://app.leanstack.com/canvases/229439/slideshow#next .

Anúncios

Palestra Know Your WHY

Texto escrito por Karla Silva (kmbs@cin.ufpe.br)

No dia 24 de novembro de 2015 no auditório da JUMP Brasil, aconteceu a palestra “Know Your WHY” conduzida por Jamie Douraghy, membro do Entrepreneurs’ Organization de Los Angeles.

Jamie procurou mostrar aos presentes na plateia como saber o seu “Why” e entender melhor a sua razão de ser. Ele começa a palestra mostrando um caminho de sabendo o porquê e outro caminho de não sabendo. Segundo ele, essa reflexão é importante para saber para onde se está indo. Com isso, ele mostrou 9 whys e de acordo com as histórias contadas ajudava a identificar o respectivo why. Na segunda parte da palestra tiveram dinamicas que buscavam identificar esses whys dos participantes da plateia.

Jamie Douraghy, membro de EO Los Angeles.

Na minha opinião, na palestra o aprendizado mais importante foi como ele fez a conexão entre o Why, How e What. Nesse momento, as coisas ficaram muito mais claras e fizeram total sentido. Ele chama isso de Personal WHY-fi. O símbolo lembra o sinal conhecido da rede sem fio. O slide do personal WHY-fy pode ser visualizado nesse post no LinkedIn.

Two Curves

Texto escrito por Karina Moura (kms2@cin.ufpe.br), Karine Gomes (kgmg@cin.ufpe.br) e Karla Silva (kmbs@cin.ufpe.br)

Na aula da terça-feira (17), a equipe de estilo de vida/moda apresentou os sinais de muda, os forecastings e as duas curvas para o projeto da disciplina de empreendedorismo.

A apresentação da nossa equipe,  pode ser encontrado no  seguinte link  https://drive.google.com/open?id=1KkjyiUI2F2Ni0I3iCozuu8jNPvy9MCUs3cVAP9TV32A.

Open Bionics: uma disruptura com produtos inovadores

Joel Gibbard, um inventor britânico, perguntou a diversas pessoas que usam próteses de mão, quais seriam os atributos mais importantes de uma prótese e também o que elas menos gostavam. Ele queria entender o que seria mais valorizado e mais repudiado.

Em 2013, Joel iniciou a Open Hand Project para desenvolver a mão Dextrus, a qual foi projetada para ter os movimentos o mais próximo possível da mão humana.

Impressão 3D para reduzir custos

Uma das principais coisas que tornam as mãos protéticas caras são os materiais utilizados para criá-las. O titânio e a fibra de carbono permitem uma maior durabilidade, porém encarecem muito o produto final.

O plástico ABS, que é um material resistente, durável e utilizado pela Lego, foi a alternativa que Joel considerou para criar a maior parte dos componentes da Dextrus e torná-la mais acessível para as pessoas. Essas peças plásticas são criadas usando impressoras 3D.

Mas ainda havia outro problema: ele já tinha observado que crianças amputadas tendiam a esconder suas próteses quando estas eram mais decorativas do que funcionais. O sentimento de não querer parecer diferente ou se recusar a usar uma prótese por causa do peso, levava as crianças ao desconforto.

Na mesma linha de pensamento de dar orgulho às pessoas que usam próteses, Joel imaginou uma prótese de mão inspirada em super-heróis. Ele queria reduzir o estigma e ajudar as crianças a se sentirem mais confiantes e mais habilitadas, além de proporcionar diversão.

No dia 07/10/2015, foram lançados três modelos infantis na Disney Accelerator Demo Day. Esse programa Disney Accelerator seleciona startups, investindo recursos e dando acesso livre aos royalties dos personagens da Disney.


Disponível em: O Futuro das Coisas – em 05/10/2015

Propriedade Intelectual

Texto escrito por Karla Silva (kmbs@cin.ufpe.br)

Hoje, vemos muito na mídia discussões sobre Propriedade Intelectual, mas finalmente o que é PI?

Propriedade Intelectual é a área do Direito que, por meio de leis, garante a inventores ou responsáveis por qualquer produção do intelecto – seja nos domínios industrial, científico, literário ou artístico – o direito de obter, por um determinado período de tempo, recompensa pela própria criação.

Associação Paulista de Propriedade Intelectual

Segundo a definição da Organização Mundial de Propriedade Intelectual, a PI pode ser dividida em duas categorias: propriedade Industrial e direitos autorais. Cada uma inclui coisas especificas desde patentes a cultura imaterial.

O processamento dos registros no Brasil é realizado pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial. No entanto, a Universidade Federal de Pernambuco conta com a Diretoria de Inovação e Empreendedorismo para realizar essa tarefa. A DINE disponibiliza um manual que visa disponibilizar para a comunidade acadêmica,  o valor da propriedade intelectual para a Universidade e para seus pesquisadores. Além disso, o site do departamento disponibiliza glossários, dicas de como proceder para depositar uma patente e etc. Confere lá: https://www.ufpe.br/dine/index.php

Referências: